Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Sistema Partidário

O primeiro turno na reta final | com Lara Mesquita & Rafael Cortez | 146

Imagem
As eleições de 2022 se aproximam de um momento decisivo, entrando na  última semana de campanha antes do primeiro turno. Todas as atenções se voltam à disputa presidencial, pois diversas  pesquisas apontam a possibilidade de Lula vencer ainda no primeiro  turno.  A possibilidade aumenta com novos apoios ao ex-presidente vindo até de  opositores outrora ferrenhos, como Miguel Reale Jr., autor do pedido de  impeachment de Dilma Rousseff.  Reiteradas ameaças à democracia perpetradas por Jair Bolsonaro,  inconformado com uma provável derrota, alarmam setores políticos e  sociais, dentro e fora do Brasil.  O que se pode esperar dessa disputa que se avizinha? E as demais  eleições, para o Congresso e governos estaduais, que se pode esperar  delas?  Para discutir esses temas este #ForadaPolíticaNãoháSalvação recebe dois cientistas políticos, especialistas em questões eleitorais.  Uma é Lara Mesquita , professora da FGV EESP, pesquisadora do FGV CEPESP e do CEBRAP.  Outro é Ra

As eleições e a democracia em perigo | com Fernando Limongi | 143

Imagem
A eleição presidencial de 2022 coloca a democracia brasileira diante de  uma situação perigosa. Uma eventual vitória de Jair Bolsonaro pode significar o fortalecimento  de um projeto político autoritário que passa pela captura das  instituições pelo chefe do Executivo.  O principal alvo dessa investida autocrática é o Supremo Tribunal  Federal. Como Hugo Chávez na Venezuela, Bolsonaro quer controlar o STF e  o tornar uma corte subserviente a seu mando.  Mas como chegamos até aqui?  O que ocorreu ao longo de diversas eleições e  governos para que estivéssemos, hoje, diante desse risco? E o que  significaria um novo governo Lula, derrotando Bolsonaro?  Para tal discussão este #ForadaPolíticaNãoháSalvação recebeu Fernando  Limongi, cientista político, professor da Escola de Economia de São  Paulo da FGV, professor titular aposentado da USP e pesquisador do  CEBRAP.    Limongi é um dos principais cientistas políticos brasileiros e sua  reflexão sobre nossa democracia é pri

As eleições na França | Com Mathias Alencastro | 123

Imagem
O primeiro turno da eleição presidencial francesa foi muito disputado. Três candidatos dividiram de forma quase igual três quartos do  eleitorado: Emmanuel Macron, Marine Le Pen e Jean-Luc Mélenchon. Esse resultado é mais uma demonstração do ocaso dos dois partidos  tradicionais franceses, os Republicanos (de Direita) e o Partido  Socialista (de Esquerda).   Macron, presidente incumbente, de centro, está à frente de uma  agremiação novíssima, centrada em sua personalidade mais que numa  estrutura orgânica. Le Pen chefia a agremiação de extrema-direita herdada de seu pai, Jean  Marie, à qual tenta conferir uma aparência menos radical, sem contudo  mudar sua substância ideológica. Já Mélenchon, que ficou de fora do segundo turno, lidera uma organização  da "esquerda de confrontação", que toma o lugar dos Socialistas e dá  novo feitio à atuação nesse âmbito do espectro ideológico. O que significam os resultados dessa eleição? O que se pode esperar da  política f

As eleições depois da janela | Com Julian Borba & Sérgio Braga | 122

Imagem
Após muitas trocas de partidos, com congressistas, deputados estaduais e outros políticos mudando suas filiações, as eleições de 2022 ganham contornos mais definidos nos níveis nacional e estadual. As agremiações da base do governo federal, Partido Liberal (PL), Progressistas (PP) e Republicanos (PRB) foram os maiores beneficiários do troca-troca partidário, aumentando significativamente suas bancadas na Câmara, com reflexos em Assembleias Legislativas estaduais.   Com isso, Jair Bolsonaro consolida sua base congressual de sustentação, concentrando o Centrão em torno desses três partidos de adesão – apesar do papel adesista que ainda desempenham parcelas substanciais de MDB, PSD, PSDB e alguns partidos menores, fadados a desaparecer. Aliás, vale registrar que desapareceram seis agremiações nanicas com deputados eleitos em 2018. Com as novas regras eleitorais e partidárias, essa é uma tendência, o que aumenta a importância do crescimento desse núcleo duro do Centrão bolso

Eleições 2022: o Nacional e o Regional, com Monalisa Torres & Vitor Sandes | 118

Imagem
Saem novas pesquisas e candidatos saem de cena. O cenário é estável, embora com uma aparente e pequena recuperação de Bolsonaro. O que esperar? Há também a disputa nos estados, que é importante para as campanhas presidenciais e, ainda mais neste momento, para a formação de possíveis federações partidárias. Contudo, as federações partidárias parecem enfrentar dificuldades postas pelo federalismo partidário, já que os partidos – em especial os grandes – têm objetivos estaduais que tornam improvável a formação de uma união durável entre as agremiações. Para compreender esses temas, com um olhar especial para disputas regionais, este #ForadaPolíticaNãoháSalvação tem como convidados Monalisa Torres, cientista política e professora da UECE, e Vitor Sandes, cientista político e professora da UFPI. As músicas deste episódio são "The Gentlemen", do DivKid, e "Island Dream", de Chris Haugen. Ouça no podcast! Agradeço aos novos apoiadores do canal: Erre Jota Mello, Fernanda de

Eleições: de olho em 2022, com Lara Mesquita e Débora Thomé | #102

Imagem
  Mal terminou 2021 e todas as atenções se voltam para 2022 - ou melhor, para as eleições que ocorrerão nesse ano. Um presidente mal avaliado, mas que resistentemente mantém um apoio por volta de um quarto do eleitorado; novas regras eleitorais aprovadas às vésperas do prazo limite; incentivos a candidaturas femininas e de pessoas negras; articulações em torno de uma candidatura de "terceira via" entre Lula e Bolsonaro. Que perspectivas esse cenário nos dá? Para discutir esse tema as convidadas deste episódio são as cientistas políticas Lara Mesquita, pesquisadora do CEPESP FGV e Débora Thomé, pesquisadora do LabGen da UFF. As músicas deste episódio são "Malandragem" de Quincas Moreira e "Ella Vater" dos The Mini Vandals. Leia o blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação na CartaCapital. #Eleições #Eleições2022 #ConjunturaPolítica #PolíticaBrasileira #PartidosPolíticos #Gênero