Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2022

Bolsonarismo: linguagem da destruição | Com Miguel Lago | 124

Imagem
O que explica a resiliência de Jair Bolsonaro, que apesar do desastre como governo e na provisão de políticas públicas, mantém uma considerável popularidade e assegura ao mandatário um patamar considerável de intenções de voto? A oposição se vê atônita com a forma de agir do ex-capitão do Exército, marcada pelo uso da hiperconectividade das redes sociais e lançando mão de uma política mística, tanto para governar como para amealhar o apoio de uma base social fiel – em vários sentidos que a palavra "fiel" comporta.   Trata-se de um governo reacionário, voltado à "destruição como forma de constituição de uma utopia regressiva" – como enunciado na introdução ao livro. Destrói-se o Estado administrativo brasileiro, suas instituições e suas políticas. Mas há algo a ser construído? Se houver, do que se trata? O bolsonarismo fala muito de liberdade. Porém, qual a noção de liberdade bolsonaresca? Seria a de fazer "o que der na telha"? Seria a liber

As eleições na França | Com Mathias Alencastro | 123

Imagem
O primeiro turno da eleição presidencial francesa foi muito disputado. Três candidatos dividiram de forma quase igual três quartos do  eleitorado: Emmanuel Macron, Marine Le Pen e Jean-Luc Mélenchon. Esse resultado é mais uma demonstração do ocaso dos dois partidos  tradicionais franceses, os Republicanos (de Direita) e o Partido  Socialista (de Esquerda).   Macron, presidente incumbente, de centro, está à frente de uma  agremiação novíssima, centrada em sua personalidade mais que numa  estrutura orgânica. Le Pen chefia a agremiação de extrema-direita herdada de seu pai, Jean  Marie, à qual tenta conferir uma aparência menos radical, sem contudo  mudar sua substância ideológica. Já Mélenchon, que ficou de fora do segundo turno, lidera uma organização  da "esquerda de confrontação", que toma o lugar dos Socialistas e dá  novo feitio à atuação nesse âmbito do espectro ideológico. O que significam os resultados dessa eleição? O que se pode esperar da  política f

As eleições depois da janela | Com Julian Borba & Sérgio Braga | 122

Imagem
Após muitas trocas de partidos, com congressistas, deputados estaduais e outros políticos mudando suas filiações, as eleições de 2022 ganham contornos mais definidos nos níveis nacional e estadual. As agremiações da base do governo federal, Partido Liberal (PL), Progressistas (PP) e Republicanos (PRB) foram os maiores beneficiários do troca-troca partidário, aumentando significativamente suas bancadas na Câmara, com reflexos em Assembleias Legislativas estaduais.   Com isso, Jair Bolsonaro consolida sua base congressual de sustentação, concentrando o Centrão em torno desses três partidos de adesão – apesar do papel adesista que ainda desempenham parcelas substanciais de MDB, PSD, PSDB e alguns partidos menores, fadados a desaparecer. Aliás, vale registrar que desapareceram seis agremiações nanicas com deputados eleitos em 2018. Com as novas regras eleitorais e partidárias, essa é uma tendência, o que aumenta a importância do crescimento desse núcleo duro do Centrão bolso

Teorias da Conspiração | com Mathieu Turgeon & Carlos Oliveira | 121 |

Imagem
Muito se fala que certas interpretações sobre o que ocorre no mundo nas mais diversas áreas, em especial na política, são teorias da conspiração. Mas o que são teorias da conspiração? Quando se trata apenas de uma teoria sem fundamento na realidade, ou quando há de fato conspirações ocorrendo?   Quem produz mais teorias da conspiração? Quem as consome mais? Teorias da conspiração podem ser danosas à democracia, embora nem todas sejam. Embora pudessem ser principalmente produtos de setores socialmente subalternos, de oposições ou de perdedores políticos, nem sempre é assim. Cada vez mais governos recorrem a teorias da conspiração como procedimento usual de governo. Para discutir esses e outros aspectos das teorias da conspiração, este #ForadaPolíticaNãoháSalvação convidou dois cientistas políticos. Mathieu Turgeon, professor da Western University em Ontário, no Canadá, e Carlos Oliveira, âncora da TV Câmara e professor voluntário no Instituto de Ciência Política da UnB.