Postagens

A Sociedade Civil na Trincheira da Democracia | com José Álvaro Moisés | 140

Imagem
No dia 11 de agosto diversos eventos de defesa da democracia ocorreram por todo o país, reunindo milhares de pessoas nas ruas e em escolas de Direito. O cordão foi puxado por uma carta elaborada no âmbito da Faculdade de Direito da USP , no Largo São Francisco. Esse documento se inspirou noutro, análogo, elaborado também na São Francisco, sob a liderança do professor Gofredo da Silva Telles, em 1977. À época o país ainda vivia sob a ditadura militar, naquele momento sob o comando do General Ernesto Geisel.   Aquela carta contribuiu de forma importante para a mobilização da sociedade civil contra o autoritarismo. O processo ganhou novo impulso no ano seguinte, quando uma greve de metalúrgicos da Scânia deflagrou a emergência dos movimentos paredistas do Novo Sindicalismo.  A sociedade reagia energicamente. Nesta quadra histórica o Brasil vive não uma ditadura, mas uma ameaça à democracia, perpetrada pelo presidente da República e seus comparsas. A sociedade se vê na necess

Dinheiro e velha política | com Bruno Carazza | 139

Imagem
As eleições de 2022 contarão com o maior montante de recursos públicos disponíveis para disputas eleitorais da história. Ademais, recursos privados também podem ser usados, com poucas limitações. Os muito ricos e aqueles que têm parentes, amigos e apoiadores muito ricos também serão beneficiados pela força da grana nestas eleições. Não apenas verbas de campanha - públicas e privadas - pesarão na corrida, mas também alentados recursos orçamentários da União, sobretudo por meio do "orçamento secreto", controlado pelas presidências das duas casas do Congresso. Que dinheiro é importante na disputa política já é algo sabido, mas qual exatamente essa importância? Que consequências isso traz para a democracia? Para discutir esses temas, este #ForadaPolíticaNãoháSalvação traz Bruno Carazza , mestre em Economia, doutor em Direito, professor da Fundação Dom Cabral e colunista do Valor Econômico . Carazza entende como poucos as relações entre dinheiro e política, sendo auto

O cenário eleitoral ainda muda? | com Antonio Lavareda | 138

Imagem
Seguidas pesquisas eleitorais têm mostrado uma grande estabilidade no cenário das eleições presidenciais, sobretudo quando se consideram as projeções de segundo turno. Quase nada muda. Mesmo se considerando o primeiro turno, em que Bolsonaro apresentou algum crescimento, apenas ele e Lula figuram como candidatos competitivos, indicando que a disputa efetiva será entre ambos. Os candidatos de "terceira via" não crescem. Mas será que está mesmo tudo definido, ao menos no que diz respeito ao primeiro e ao segundo lugar? Ou será que ainda são possíveis reviravoltas na disputa presidencial? Bom lembrar também que nos estados os cenários ainda são bem distintos, com disputas mais abertas, apesar do favoritismo dos governadores que disputam a reeleição. Também os congressistas governistas levam vantagem, beneficiados pelo orçamento secreto. Para discutir tais temas e entender melhor as pesquisas eleitorais, este #ForadaPolíticaNãoháSalvação recebeu o sociólogo e cient

Violência Política e Eleições | com Felipe Borba & Vinícius Israel | 137

Imagem
Temos visto que os episódios de violência política relacionada às eleições têm aumentado no Brasil, ultrapassando inclusive o número de eventos em 2020 durante o primeiro semestre. E eleições municipais costumam ter mais violência que as estaduais e nacionais. A grande diferença é que desta feita o próprio presidente da República, no exercício do cargo, estimula a violência contra seus adversários, transformados por ele em inimigos. Isto gera uma mudança não só quantitativa, mas qualitativa, da violência. O episódio mais vistoso foi o assassinato, em Foz do Iguaçu, do dirigente petista, Marcelo Arruda, em sua festa de aniversário. O crime foi perpetrado por um policial bolsonarista que disparou seus tiros contra o inimigo político aos gritos de "aqui é Bolsonaro". Fosse apenas esse o episódio, já seria suficientemente grave, mas há mais coisas. Drone que lança excrementos misturados com veneno contra manifestantes num comício de Lula; bomba caseira, cheia de exc

Redes Sociais, Política, Eleições | com Pedro Bruzzi | 136

Imagem
Que avaliação se pode fazer do papel das redes sociais na política nos últimos anos, não só no Brasil, mas noutros países? Em particular nas eleições, que impacto as redes podem ter em 2022? Vimos que foram importantes em 2018, com grande vantagem para Jair Bolsonaro e seus aliados; esse cenário pode se repetir neste ano? Para além das eleições, as redes têm importância na definição da agenda pública. Elas influenciam de forma relevante o debate político mais geral, inclusive pautando a imprensa tradicional, que frequentemente vai atrás de algo que surgiu primeiro nas redes. As redes são notícia e influenciam até mesmo a forma de se fazer notícia. Muitas análises sobre o papel das redes na política tomam pelo valor de face os números de seguidores, compartilhamentos e curtidas. Mas será que isso é suficiente para alterar o cenário político? É preciso prestar atenção também no conteúdo do que está sendo difundido para avaliar seu impacto.   Outro aspecto interessante da inf