Choque de Poderes, com Oscar Vilhena Vieira - #93

O conflito entre os Poderes de Estado, em particular entre o Executivo e o Judiciário, atingiu seu ápice desde o início do mandato de Jair Bolsonaro.


Após seguidos ataques do presidente ao processo de votação, ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral, o ministro do STF, Luís Roberto Barroso, ao seu colega de Suprema Corte, Alexandre de Moraes, além seguidas mentiras e ameaças à realização das eleições, os tribunais reagiram.


O TSE abriu um inquérito no âmbito eleitoral contra o presidente e encaminhou uma notícia-crime ao Supremo Tribunal Federal, para que o presidente seja investigado no inquérito das Fake News. O inquérito foi aceito pelo relator, ministro Alexandre de Moraes, colocando o presidente na condição de investigado.


O presidente do STF, Luiz Fux, encerrou a sessão do Tribunal lendo uma duríssima nota contra Jair Bolsonaro e cancelando a reunião antes marcada para o diálogo entre os chefes dos Três Poderes.


O que se pode esperar desse jogo? A democracia está mesmo sob ameaça? Como chegamos a este ponto? As instituições dão conta do problema?


Para discutir esses assunto, este #ForadaPolíticaNãoháSalvação recebeu o jurista e cientista político Oscar Vilhena Vieira, professor e diretor da FGV Direito São Paulo, membro da Comissão Arns e um ativo participante do debate público sobre constitucionalismo e direitos humanos.




As músicas deste episódio são: "Intuit256", de Kevin MacLeod (licença Creative Commons) e "Modern Situations", do Unicorn Heads.




Conheça nosso blog no site da CartaCapital.




#STF #CrisePolítica #Bolsonarismo #Autoritarismo #GolpedeEstado #InstituiçõesPolíticas #Judiciário #MinistérioPúblico #PGR #SistemadeJustiça #Presidência #PolíticaBrasileira #ConjunturaPolítica







































Comentários

As mais lidas

Como destruir um pais | publicado originalmente no Valor Econômico em 07.01.2021

O governo dos invertidos | publicado originalmente no Valor Econômico em 17.12.2020

Um governo militar - publicado originalmente no Valor Econômico