Violência Política e Eleições | com Felipe Borba & Vinícius Israel | 137

Temos visto que os episódios de violência política relacionada às eleições têm aumentado no Brasil, ultrapassando inclusive o número de eventos em 2020 durante o primeiro semestre. E eleições municipais costumam ter mais violência que as estaduais e nacionais.

A grande diferença é que desta feita o próprio presidente da República, no exercício do cargo, estimula a violência contra seus adversários, transformados por ele em inimigos. Isto gera uma mudança não só quantitativa, mas qualitativa, da violência.

O episódio mais vistoso foi o assassinato, em Foz do Iguaçu, do dirigente petista, Marcelo Arruda, em sua festa de aniversário. O crime foi perpetrado por um policial bolsonarista que disparou seus tiros contra o inimigo político aos gritos de "aqui é Bolsonaro".

Fosse apenas esse o episódio, já seria suficientemente grave, mas há mais coisas.

Drone que lança excrementos misturados com veneno contra manifestantes num comício de Lula; bomba caseira, cheia de excrementos, lançada no meio de um comício do candidato petista; intimidação com milicianos armados em passeata em prol do candidato Marcelo Freixo no Rio de Janeiro; excrementos e ovos lançados sobre o carro de juiz que determinou a prisão de ex-ministro bolsonarista.

Os casos abundam, sempre promovidos pelo bolsonarismo contra seus desafetos.

Em que esses episódios de violência político-eleitoral de 2022 diferem daqueles que usualmente ocorrem no país? Quais as características da violência crônica, de natureza politico-eleitoral, no Brasil? Quem são as principais vítimas?

Para entender esse fenômeno, este #ForadaPolíticaNãoháSalvação conversou dos pesquisadores do tema.


 

Um é Felipe Borba, cientista político e coordenador do GIEL - Grupo de Investigação Eleitoral da UNIRIO, no âmbito do qual funciona o Observatório da Violência Política e Eleitoral.

O outro é Vinícius Israel, sociólogo e matemático, também ele professor da UNIRIO e pesquisador do Observatório.

Twitter de Felipe Borba: @FelipeB70714377

LinkedIn de Vinícius Israel: @vinicius-israel-a12386100/

As músicas deste episódio são "A Ghost Town" de Quincas Moreira e "Arms Dealer" do Anno Domini.

Além do YouTube, este episódio está disponível em vídeo também no Spotify Podcasts.

Leia o blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação no site da CartaCapital.

Apoie o  e ajude o canal e o podcast a se manterem e a melhorar! Apoiadores contarão com agradecimentos nos créditos dos episódios (claro, desde que desejem) e terão acesso a brindes digitais  relacionados ao tema do canal: a política.

Há quatro formas possíveis de apoio.

  1. Valeu Demais: Fazendo uma doação pelo botão "Valeu" do vídeo no YouTube. Você determina o valor.
  2. Clube dos Canais: Tornando-se membro do canal no Clube dos Canais do YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCbSOn9WtyJubqodDk_nL1aw/join
  3. Benfeitoria: Tornando-se assinante simbólico do #FPNS no Benfeitoria. com: https://benfeitoria.com/projeto/ApoioForadaPoliticaNaohaSalvacao
  4. PIX: Por meio de PIX. Chave PIX: contato@foradapoliticanaohasalvacao.info

#ViolênciaPolítica #Eleições #Eleições2022 #RedesSociais #Democracia #FakeNews #ExtremaDireita #Bolsonarismo #AnálisePolítica #ConjunturaPolítica #PolíticaBrasileira

 

 




























 

 

Comentários

As mais lidas

#ForadaPolíticaNãoháSalvação

Compaixão: a ética salva, com Renato Janine Ribeiro | #112